< Voltar

NotíciasAdicionar ao favoritos

QUANTO COBRAR POR UMA PEÇA?

Por: Aline Ribeiro | Foto: Shutterstock
Conheça mais a fundo as avaliações e os cálculos que precisam ser feitos na hora de decidir o preço de venda de produtos artesanais.

 

 

Todo o processo de criação e venda de uma peça artesanal é bastante prazeroso. No entanto, ambos requerem uma série de cuidados, que vão desde a escolha do material a ser utilizado, até a decisão sobre o valor no qual a peça será comercializada. Tendo em vista o fato de vários artesãos utilizarem o artesanato como fonte de renda e sustento familiar, apesar de muitos encararem essa atividade apenas como um hobby, o estabelecimento do preço precisa ser submetido a uma avaliação bastante detalhada. E para isso, o consultor financeiro do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo (Sebrae), Ricardo Curado, diz que o artesão ou artista precisa administrar a sua produção profissionalmente. “Nessas horas, não dá pra ser amador, é preciso ter uma disciplina financeira. O preço de venda deve, obrigatoriamente, pagar todos os cus- tos das despesas e dar um lucro adequado”, explica.
 
Avalie e calcule

Para entender um pouco melhor sobre os fatores que determinam o valor de uma peça, é preciso, primeiro, ter em vista todo o processo de industrialização. Com a Revolução Industrial, iniciada na Inglaterra em meados do século 18, a mão de obra predominantemente humana deu lugar às máquinas, no mundo todo. A partir de então, os produtos começaram a ser produzidos em grande escala e em um curto período de tempo. Dessa forma, eles invadiram o mercado custando cada vez menos e, consequentemente, os artesãos precisaram baixar os seus preços. Segundo Curado, é importante haver um comparação entre ambos. No entanto, é necessário saber também que “o tempo da produção artesanal é muito maior do que o industrial; às vezes, são necessárias diversas viagens para que sejam feitas medições, por exemplo a qualidade também é superior na maioria dos casos. Dessa forma, o seu valor precisa ser eleva- do”. Partido desse mesmo princípio, o designer Peter Paiva dá uma dica: “Faça sempre a peça ou trabalho artesanal com muito amor. Coloque para fora todo o bom sentimento e orgulho pelo que está sendo produzido. Isso eu certifico que nenhuma máquina poderá substituir”. Nota-se, então, que o reconhecimento do trabalho e da mão de obra é um fator de extrema importância e deve ser considerado sempre.
 
Atente-se para as despesas
 
Para calcular a estrutura das despesas, siga o seguinte modelo:

• Calcule o custo direto variável, por unidade: material (tinta, caixa, tela, papel, miçangas, entre outros); mão de obra terceirizada (marceneiro), se houver a necessidade; e o valor gasto com a embalagem, quando solicitada pelo consumidor;

 
• Agora, compute o custo fixo gasto com a produção mensal: transporte, energia elétrica, aluguel, pró-labore;
Em seguida, determine a número de peças que serão feitas no mês e divida o custo fixo por essa quantidade;

 
• Some este último resultado pelo custo direto variável, de cada unidade. A quantia obtida será o custo total investido em um único quadro, caixa, cartão, móvel, entre outros já prontos;

 
• Para finalizar, estime a porcentagem de lucro pretendida para cada peça. Lembre-se de que ele costuma variar de 50% a 200%, de acordo com o grau de dificuldade da técnica utilizada e com o seu valor de mercado previamente estabelecido. 
O designer Peter Paiva costuma somar uma média de 200% de lucro, tendo sempre em vista a ideia do produto. “É importante lembrar que, como estamos vendendo arte e isso saiu da nossa imaginação, o custo do material pode ser quase zero, mas a ideia conta muito”, explica. 
Na sequência, some o custo total gasto com a unidade por esse porcentual e, assim, você terá o preço de venda da sua criação.
 
• A partir de então, compare o resultado do cálculo com o preço médio cobrado pela concorrência. Caso ele seja muito superior, avalie melhor a forma na qual o seu gasto tem sido feito e se é possível cortar despesas. No entanto, lembre-se que a qualidade dos materiais deve ser sempre considerada acima de tudo. Depois de todo esse processo, concentre-se nas vendas e utilize o faturamento, para comprar novos materiais, aprimorar o seu negócio, por meio de detalhes exclusivos e inovadores, ou ainda para investir em cursos que possibilitem novos conhecimentos e um maior destaque no mercado.
 
Bons negócios!

Comentários

Deixe seu comentário:

  • Por favor digite no campo a seguir o texto que aparece distorcido na imagem. Isto é necessário para evitar que vários cadastros sejam criados automaticamente por um programa de computador.

    codigo

Técnica da semanamais sobre isso

Guirlanda de Natal divertida

Guirlanda de Natal divertida Confira essa matéria!

PARA PINTAR E BORDAR

GUIA DE PINCÉIS

GUIA DE PONTOS

Vendo Artesanato
Quem somos Expediente Anuncie Fale com a Redação
Home | Contato | Anuncie | Publicidade | Equipe | Assinaturas | Divulgue o Portal Artesanato Decoração | Artesanato | Yesteen | Corporativo | Buquê de Noiva | Vendo Autos | Loja Online Copyright © 2012 - IBC Instituto Brasileiro de Cultura Ltda. |